segunda-feira, 12 de abril de 2021

CUIDADO BOLSONARO:E SE RANDOLFE OU OUTRO RESOLVER IR PRA PORRADA CONTIGO?

 



Uma das coisas que todo metido à valentão nunca espera e que ele pode encontrar alguém, que está quieto, e aparentemente é calmo, tranquilo e fica na sua, mas que subitamente resolve reverter a situacão e partir pro revide.

E se Randolfe ou outro qualquer que Bolsonaro tente resolver na porrada, aceite o desafio?

Cuidado Bolsonaro que a chapa está esquentando pro teu lado !

Fora isso, o Presidente já se desentendeu com muita gente, de vários gêneros.


Renato Janine Ribeiro sobre o áudio vazado. Para ele a divulgação cumpriria o objetivo de detonar a CPI da Covid-19, no entanto, pode ser outro tiro no pé. Criando um espírito de solidariedade entre ministros do STF, no Senado e na Câmara dos Deputados.

Há uma lógica no que temos visto. O presidente morde e depois outros assopram por ele. Talvez esteja testando até onde pode ir. Talvez simplesmente aja sem pensar. Mas nas últimas semanas afrontou as Forças Armadas, o Supremo e agora o Senado. Não parece ter cacife para comprar tanta briga, ainda mais porque ninguém entende com que finalidade. Tem Bolsonaro um projeto?



BOLSONARO SE AFOGOU NO "SUCO DE KAJURU"



domingo, 11 de abril de 2021

ARTIGO : JUSTIÇA PARA LULA






 JUSTIÇA PARA LULA


Uma nova manobra jurídica é movida no STF 
contra o ex-presidente na tentativa de invalidar decisão que anulou as condenações de Moro

A ofensiva conta mais uma vez com a máquina conservadora de setores empresarias, que pressionam diretamente Fachin a rever decisão

A trama tem por objetivo impedir Lula – mais 
uma vez o favorito nas pesquisas eleitorais – a disputar as eleições presidenciais de 2022

Focus Brasil | Fundação Perseu Abramo

A tentativa de uso da máquina judiciária brasileira para promover nova perseguição política ao ex-presidente Lula continua. De maneira suspeita, as engrenagens do ódio instaladas na mídia, no Ministério Público e em setores da direita brasileira continuam a se movimentar para cometer mais abusos contra o maior líder político do Brasil. Justamente quando Lula volta a despontar como o favorito nas eleições presidenciais e tem sua volta à arena política saudada por líderes do mundo.

Nesta quarta-feira, 14, o Supremo Tribunal Federal retoma o julgamento de um habeas corpus movido pela defesa do ex-presidente. O ministro-relator Luiz Edson Fachin quer reavivar o caso. Ele submeteu ao plenário decisão que ele próprio tomou. Em sentença monocrática, Fachin reconheceu que Moro não tinha competência para julgar o ex-presidente. E que a Vara Federal de Curitiba não era o foro adequado para examinar as alegações contra Lula. Muito menos para condená-lo. A decisão que anulou a condenação de Lula por Moro foi tomada em 8 de março. 

Agora, o ministro pede para que a sentença vá ao exame do colegiado do STF. A medida causa preocupação ao país e à comunidade internacional. Juristas como Eugênio Aragão, Lênio Streck e Marco Aurélio Carvalho consideram-na inadequada. Os advogados apontam que não cabe promover a revisão da decisão – um ato jurídico perfeito – ao plenário. E argumentam que o procedimento viola a Constituição.

Na sexta-feira, 9, Fachin surgiu em 'Veja', declarando: “Não seria inusual o plenário derrubar o entendimento da turma”. O ministro disse que os 11 ministros vão decidir se o fato dele ter declarado a incompetência de Moro para julgar Lula em Curitiba invalida toda e qualquer deliberação tomada depois pela Segunda Turma. “Nada disso é incomum”, afirma. 

Aragão, Streck e Carvalho discordam. “É inusitado”, diz o ex-ministro da Justiça. Os colegas reforçam: “Ninguém na face da Terra pensaria que um ministro do STF, do alto de sua responsabilidade política, poderia anular um conjunto de processos e depois, por uma questão estratégica, votar contra si mesmo”. Os advogados se mostram perplexos com a hipótese: “Seria um ‘case’ a ser estudado no mundo todo”. 

O movimento no STF pode alterar mais uma vez o jogo político e retirar do povo o direito legítimo de votar e escolher o futuro presidente do Brasil. Tenta-se retirar mais uma vez, antecipadamente, Lula da disputa eleitoral. Como ocorreu em 2018, sob os aplausos escancarados de setores empresariais e da mídia corporativa, além dos conservadores e das forças anti-populares. 

Tudo isso acontece agora, depois de Lula vencer o lawfare de Sérgio Moro, que o condenou de maneira ilegal e abusiva ­– o magistrado que largou a toga para fazer política no governo Bolsonaro, mas antes condenou e prendeu Lula com toda sorte de ilegalidades. 

A esperança é que há juízes em Brasília. Eles não deixarão a injustiça prevalecer. •

Publicado na revista 'Focus Brasil', editada pela Fundação Perseu Abramo, edição de 11 de Abril.


http://dilma.com.br/justica-para-lula/

sexta-feira, 9 de abril de 2021

DISPARA A REJEIÇÃO AO GOVERNO BOLSONARO

 



 51,5% de rejeição...

Apenas 24% Aprovam

Fonte: Exame/Ideia


Governo Bolsonaro derrete, assim como ele eleitoralmente.


Em breve vai ter que enfrentar a CPI do Covid no Senado com amplas possibilidades de derrota.


Perdeu o controle no combate da Pandemia com quase 350 mil mortes, média de 3 mil mortes por dia.


A economia está um fiasco.


O resultado está na opinião pública com mais essa pesquisa.


VEJA MAIS AQUI SOBRE A PESQUISA.

quinta-feira, 8 de abril de 2021